Category Archives: artigos

09mar/21

Veja 7 qualidades dos perfis de liderança

09mar/21

witter pode desativar contas que postarem informações falsas sobre a Covid-19

Plataforma anunciou progressão de punições a infratores de seus termos de uso

O Twitter anunciou nesta segunda-feira (1º) uma atualização em seu sistema de regras e punições sobre a disseminação de informações falsas a respeito da Covid-19 por usuários da plataforma. A partir de agora, seus termos de uso incluem uma progressão de penalidades que podem chegar à desativação da conta do infrator na rede social, caso este acumule cinco ou mais violações.

Em dezembro, a empresa já havia dado início à sua política de combate à desinformação, passando a incluir avisos em postagens com alegações potencialmente enganosas sobre as vacinas contra a Covid-19 e removendo conteúdos comprovadamente falsos na comparação com os dados oficiais. Sob essas normas, publicações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o Ministério da Saúde sobre o uso de medicamentos de eficácia não comprovada contra a doença chegaram a ser sinalizadas com um alerta de “potencialmente prejudiciais” pela rede.

As novas medidas levam em conta o número de infrações cometidas pelo usuário, ou seja, quantas vezes suas postagens sobre o tema foram marcadas ou removidas pela plataforma. Confira:

– Uma violação: sinalização da postagem;

– Duas violações: 12 horas de bloqueio;

– Três violações: 12 horas de bloqueio;

– Quatro violações: 7 dias de bloqueio;

– Cinco ou mais violações: suspensão permanente.

As contas serão notificadas pela plataforma a cada violação registrada. Com a atualização, o Twitter declarou que espera educar as pessoas sobre os conteúdos nocivos para que “tenham a oportunidade de refletir melhor sobre seu comportamento e impacto na conversa pública”.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/twitter-pode-desativar-usu%C3%A1rios-que-postarem-informa%C3%A7%C3%B5es-falsas-sobre-a-covid-19

09mar/21

Dicas para comunicação interna em tempos de crise

Em meio à pandemia da Covid-19, os comunicadores internos têm sido peças importantes para as demandas estratégicas das empresas

O avanço da pandemia da Covid-19 alterou o dia a dia das pessoas em quase todos os países e trouxe apreensão para todos. Para as empresas, uma das medidas que mais mudou a rotina dos trabalhadores foi a rápida e urgente adoção do home office, que ajudou a mitigar os riscos das pessoas se contaminarem. Com isso, os meios de comunicação online entre as equipes se tornaram essenciais para manter a produtividade e o negócio andando. São e-mails, teleconferências e vídeo-chamadas, todas as ferramentas possíveis que a internet possibilita usar para driblar esse momento de reclusão.

Segundo resultados da pesquisa do IoIC, apesar dos desafios apresentados pelo vírus, os comunicadores internos estão confiantes de que seu trabalho nos últimos meses aumentou sua presença nas demandas estratégicas das empresas e melhorou sua reputação. Inclusive, enquanto esses profissionais costumavam ser vistos como um simples apoio a outras áreas, os CEOs agora estão percebendo que eles são parceiros estratégicos que desempenham um papel proativo na continuidade dos negócios.

Ficou claro que um dos momentos em que o comunicador se prova essencial é o período de crise. Afinal, é nessa hora que os colaboradores precisam ter mais clareza do posicionamento da marca para se sentirem seguros e amparados. Isso se aplica para qualquer tipo de crise, seja ela um problema interno da organização, alguma questão envolvendo a mídia externa ou até mesmo situações mais abrangentes de âmbito ou internacional. E para quem não vive a realidade da comunicação interna no dia a dia, esse é o momento em que a área vai estar sob os holofotes – e a intenção é que essa atenção seja positiva.

Cada situação tem suas particularidades e, infelizmente, não existe uma fórmula mágica para solucionar todas elas. Contudo, listei algumas dicas que aprendi e apliquei durante minha carreira, que podem auxiliar na contenção da situação. Confira abaixo:

Desenhe possíveis cenários

Considere como estratégia o conceito e a mensagem que vai ser passada para o resto da empresa, bem como a expectativa de percepção dos colaboradores. Faça o planejamento dos canais e formatos que vão ser utilizados para disseminar as informações e a periodicidade.

Óbvio que, em meio a uma crise, nem tudo poderá ser previsto com antecedência, mas desenhar possíveis cenários vai ajudar no acompanhamento das ações de contenção e dar mais clareza quanto aos possíveis desdobramentos da situação.

Quando tiver alguns cenários previstos e as ações cabíveis a cada um deles, alinhe o plano de ação com os pontos focais da sua organização. Eles vão ser grandes aliados em momentos de tensão, apoiando a distribuição de informações. Se você ainda não tem pontos focais definidos, aproveite esse momento para refletir e buscar pessoas parceiras do time de comunicação interna.

Seja ágil e evite ruídos

A falta de informação facilita as situações de crise e se torna o cenário perfeito para a disseminação de boatos e fake news. Com isso, a agilidade é um dos fatores mais importantes em períodos de tensão, pois quanto menor o tempo que os funcionários ficam sem saber o posicionamento da empresa perante a crise, menor a chance de ruídos.

Uma maneira de valorizá-los é trabalhar com políticas de divulgação. Essa é uma diretriz que muitas organizações seguem não só em momentos de crise, mas toda e qualquer divulgação ou anúncio importante é feito primeiramente para os colaboradores.

É importante ter um template de comunicado ou uma editoria pronta para informações urgentes e importantes. A agilidade, aliada à sabedoria, vai ser responsável por trazer credibilidade para a empresa e por criar o senso de confiança junto aos colaboradores.

Diálogo e transparência

Embora algumas instituições tenham diretrizes rigorosas quanto aos tipos de informação que podem ser divulgadas para o público interno, em momentos de tensão vale a pena reconsiderar os limites do compartilhamento, visando o bem maior no clima. Essa é uma oportunidade para que a comunicação interna se torne a fonte mais confiável de informações.

Uma dica de ouro é criar acordos com os funcionários em relação ao compartilhamento de informações. Estipule datas para enviar boletins informativos e garanta que todos estejam cientes disso. Novamente, reforçamos aqui a questão da segurança. Muitas vezes, a responsável pelo sentimento de medo é a ânsia por atualizações.

Sempre vale lembrar: comunicar por comunicar não leva a nada. Só vai desperdiçar tempo e recursos da equipe. Leve aos times conteúdos úteis! Em uma crise interna da empresa é provável que todo e qualquer tipo de informação seja relevante, mas em crises que envolvam o externo é possível filtrar o que será transmitido pela organização, para que esteja sempre aliado ao contexto de trabalho.

Mesmo com a empresa comunicando e se posicionando diante de uma crise, dúvidas ou questionamentos podem surgir. É importante que os colaboradores tenham liberdade para falar e principalmente ser ouvidos de verdade; para isso, crie canais e formas para estabelecer essa comunicação.

Por fim, trabalhar com crises não significa comunicar caos. Encontre pontos positivos da situação vivida ou perspectivas de melhora para o futuro. Informar a situação real, por pior que seja, é necessário para manter a verdade, mas uma notícia boa é necessária para levantar o ânimo e trazer motivação para enfrentar o momento difícil.

Felipe Hotz, fundador e CEO do Comunica.In, é empreendedor com 10 anos de experiência na área de Comunicação Interna e Endomarketing. Em 2017, desenvolveu a startup para transformar a comunicação das empresas com o uso de inteligência de mercado e tecnologia. A plataforma já beneficiou grandes instituições, como Tok&Stok, Volvo, ViaVarejo, Bayer e Electrolux.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/dicas-para-comunica%C3%A7%C3%A3o-interna-em-tempos-de-crise

09mar/21

Como liderar uma equipe: 5 razões pelas quais os colaboradores se demitem

O que leva sua empresa a perder um bom funcionário – e o que fazer para evitá-lo?

Você sabe quais são as 5 razões pelas quais os melhores colaboradores se demitem de uma empresa – mesmo quando gostam do trabalho?

Para ser o melhor em seu segmento, você deve primeiramente encontrar seus melhores funcionários. Perder qualquer um deles pode ser terrível, pois gera despesas para encontrar, integrar e treinar um substituto, e com isso o resto da equipe também sofre até que a vaga seja preenchida novamente.

No vídeo abaixo, ajudamos você a entender o que pode levar sua empresa a perder um de seus colaboradores – e agir para que isso possa ser evitado:

Inscreva-se no canal oficial do Portal Administradores no YouTube e confira conteúdos como esse, incluindo videoaulas, entrevistas e extenso material de pesquisa sobre Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/dinheiro-n%C3%A3o-traz-felicidade-conhe%C3%A7a-as-4-bases-para-uma-vida-feliz

09mar/21

Dinheiro não traz felicidade? Conheça as 4 bases para uma vida feliz

Será que a busca por riqueza e bens materiais é suficiente?

Você sabia que o segredo da felicidade está no seu cérebro?

Muitas pessoas acham que a fonte de uma vida feliz é a riqueza. Dinheiro é necessário e muito útil para viver, mas apenas bens materiais não trazem felicidade.

Confira no vídeo abaixo as 4 bases para te levar a uma vida feliz – que não tem nada a ver com riqueza:

Inscreva-se no canal oficial do Portal Administradores no YouTube e confira conteúdos como esse, incluindo videoaulas, entrevistas e extenso material de pesquisa sobre Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/dinheiro-n%C3%A3o-traz-felicidade-conhe%C3%A7a-as-4-bases-para-uma-vida-feliz

09mar/21

Mulheres ainda são minoria em cargos de liderança e na ciência

Em todo o mundo, menos de 30% dos pesquisadores são mulheres

Apesar da luta histórica das mulheres por igualdade, a presença feminina em postos de liderança e em áreas de destaque, como a ciência e a política, ainda é menor que a masculina.

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), atualmente, elas são cerca de 54% dos estudantes de doutorado do Brasil. Mas tanto aqui como no resto do mundo, essa participação varia de acordo com a área do conhecimento. Nas ciências da saúde, por exemplo, as mulheres são maioria (mais de 60%), mas nas ciências da computação, engenharia, tecnologia e matemática elas representam menos de 25%, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Globalmente, ainda de acordo com a ONU, menos de 30% dos pesquisadores e cientistas são mulheres.

Para a dermatologista Valéria Petri, primeira médica a detectar o HIV no Brasil, em 1982, as mulheres são sinônimo de coragem e força. Elas não costumam desistir, não recusam desafios e estão sempre dispostas a mostrar seu valor.

Valéria relembra que, no surgimento dos primeiros casos de HIV no Brasil, a síndrome foi tratada, a princípio, com preconceito, principalmente entre alguns médicos homens. “Eu não recuso, nem as mulheres recusaram. As mulheres não recusaram. Agora, os homens da época ficaram até bravos comigo quando eu mandava pacientes para serem examinados em outras áreas. Alguns diziam: você não me manda estes pacientes porque eu não quero. Por que? Porque para os homens é mais difícil lidar com a transgressão”, afirma.

Mesmo atuando em ambulatórios, Valéria conta que sempre se interessou pela pesquisa científica e pela publicação de seus estudos em livros e revistas da área de saúde.

“Pesquisa é o que a gente faz o tempo todo. Quando você examina um paciente, você precisa saber tudo a respeito daquele caso, você vai procurar. Enquanto eu não resolvesse, eu não sossegava. Depois você se entusiasma para publicar os casos porque é parte do dever acadêmico. Você participa das reuniões científicas, você se relaciona com as pessoas no nível nacional e internacional. Eu fui fazendo isso como um processo natural mesmo, e eu precisava vencer. Porque eu não ia desistir no caminho”, conta.

Depois da descoberta na década de 80, a médica ganhou prestígio internacional, publicou vários livros e chegou a ocupar o cargo de vice-reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), instituição da qual ela é professora titular desde 1996.

Mulheres no esporte

A presença de mulheres em rotinas pesadas de treinos e competições é um fenômeno recente. Ao longo da história, o mito da fragilidade feminina ficou para trás e elas passaram a conquistar destaques, medalhas e pódios, tanto no nível do esporte amador quanto profissional.

É o caso da ex-ginasta Laís Sousa, que ficou internacionalmente conhecida com suas acrobacias e saltos ao fazer parte da equipe de ginástica artística brasileira.

O esporte chegou para a paulista de Ribeirão Preto de forma inesperada, quando ela tinha 4 anos. “Eu fui fazer uma visita onde o meu irmão fazia judô e, bem do lado, tinha um ginásio de ginástica e eu acabei me apaixonando e as meninas lá pulando, fazendo mortais, fazendo coreografia e eu me empolguei. Achei legal, me passou uma sensação de liberdade. Foi assim que a ginástica surgiu na minha vida.”

Aos 15 anos ela representava o Brasil em sua primeira Olimpíada, em Atenas, na Grécia. Depois disso veio outra participação, em Pequim, na China, em 2008. Em 2014, Laís sofreu um acidente quando se preparava para as Olimpíadas de Inverno de Sochi, na Rússia, onde competiria no esqui. A ex-ginasta ficou tetraplégica.

A nova condição mudou totalmente a vida de Laís. “A sensação que eu tenho é que eu vivia dentro de uma casquinha de ovo, feita para fazer aquele tipo de repetição dentro do ginásio, de correr atrás de um corpo perfeito, de séries, coreografias perfeitas e, de repente, eu me vejo sem os movimentos, voltando para um bairro totalmente pobre na cidade onde eu nasci”, conta.

Hoje, ela ministra palestras e fala de suas experiências – tanto no esporte como fora dele – a um público diversificado. Para Laís, ser mulher é lidar com desafios diários e vencer obstáculos sem se calar.

“A gente está conquistando [espaço] pouco a pouco. Tem bastante pra comemorar, mas ainda têm mulheres que, com essa pandemia, estão apanhando em casa. Cada minuto que passa tem uma mulher que está sofrendo algum tipo de maus tratos. Então, acho que a gente não pode relaxar em nenhum momento”, afirma.

Por Ana Graziela Aguiar – Repórter da Agência Brasil – Repórter da TV Brasil
Edição: Lílian Beraldo
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

fonte: https://administradores.com.br/noticias/mulheres-ainda-s%C3%A3o-minoria-em-cargos-de-lideran%C3%A7a-e-na-ci%C3%AAncia

09mar/21

Profissional do futuro: como será o líder em 2031?

O futuro é incerto, mas há qualidades essenciais para as próximas lideranças desenvolverem já

Quais serão as qualidades essenciais para o perfil de um líder em 2031?

Se você tem entre 18 e 30 anos, precisa se preparar para adquirir as competências mais adequadas à liderança em um mundo completamente desconhecido daqui a dez anos.

Apesar das incertezas que o futuro sempre reserva, especialistas já identificaram traços vitais para qualquer profissional que pretende prosperar como líder nesta e nas próximas décadas. Confira no vídeo abaixo:

Inscreva-se no canal oficial do Portal Administradores no YouTube e confira conteúdos como esse, incluindo videoaulas, entrevistas e extenso material de pesquisa sobre Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/profissional-do-futuro-como-ser%C3%A1-o-l%C3%ADder-em-2031

09mar/21

Ambev vai eletrificar 102 caminhões como parte de projeto sustentável

Empresa também firmou parcerias para a fabricação de novos veículos elétricos

A fabricante de bebidas Ambev firmou acordo com a montadora Eletra para converter caminhões de sua frota de distribuição em veículos eletrificados. Em uma primeira etapa da parceria, 102 desses automóveis passarão pelo processo conhecido como retrofit, que consiste na substituição de todos os componentes do sistema de combustão, como motor, câmbio e tanque de combustível, pelo sistema elétrico. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

A iniciativa integra uma série de medidas previstas pela companhia para alcançar a meta de redução em 25% da emissão de CO2 em sua cadeia operacional até 2025, que inclui outros dois acordos – com a Volkswagen e a Fábrica Nacional de Mobilidade (FNM), para o fornecimento de um total de 2,6 mil caminhões elétricos até 2023.

“As três parcerias são complementares”, afirmou Marco Aurélio Filho, gerente de suprimentos e logística da Ambev, segundo o qual a empresa continuará buscando outras ações para que todos os 4,5 mil veículos de sua frota atual, ou a maioria deles, sejam movidos a combustíveis limpos.

De acordo com Ieda Oliveira, diretora executiva da Eletra, o retrofit praticamente zera a emissão de CO2 por parte dos caminhões e a empresa tem direito a 100% de créditos de carbono relativos ao que eles deixam de lançar na atmosfera, com todas as peças retiradas sendo recicladas como matéria-prima. “Após o retrofit eles praticamente ficam novos”, acrescentou, destacando que os gastos com manutenção caem cerca de 50% na comparação com o sistema a diesel.

A Ambev também está construindo 48 usinas solares para abastecer 94 centros de distribuição pelo Brasil e oferecer pontos de recarga para quando os veículos retornam às garagens.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/ambev-vai-eletrificar-102-caminh%C3%B5es-como-parte-de-projeto-sustent%C3%A1vel

09mar/21

Primeiro hotel espacial deve abrir em 2027; veja projeto

Voyager Station começará a ser construído em 2025

O ano é 2021 e mais um empreendimento que parece invenção de ficções científicas futuristas está próximo de se tornar realidade. Segundo o site Tilt, a empresa de construção espacial Orbital Assembly Corporation começará a preparar em 2025 o primeiro hotel em órbita baixa da Terra – com expectativa para inauguração já em 2027.

Batizado de Voyager Station, o projeto promete oferecer experiências similares às de um cruzeiro de luxo, com spa, cinema, restaurantes temáticos e capacidade para 400 hóspedes. Mas as semelhanças param por aí, quando se trata de uma construção em formato de anel girando suficientemente no espaço para produzir gravidade artificial para seus ocupantes.

“A Voyager Station irá alavancar as tecnologias do espaço e os confortos da Terra para criar uma experiência única sem paralelo na história. A gravidade simulada oferecerá comodidades como banheiros, chuveiros e camas que funcionam de forma semelhante ao que você está acostumado na Terra”, informa o site oficial do empreendimento.

Além de diversos tipos de quartos, como suítes para casais de 30 metros quadrados, com banheiro privativo, o projeto inclui ambientes como uma academia e um ginásio de basquete com 7 metros de altura e 1/6 da gravidade da Terra, possibilitando saltos muito mais altos. Tudo com vista para as estrelas e o planeta abaixo.

Ao anunciar a construção do hotel espacial em janeiro, a Orbital também revelou estar aberta para investimento de acionistas até o dia 1º de abril. Para viabilizar a Voyager, a companhia ainda deve criar um protótipo de 61 metros de diâmetro do empreendimento e atestar o funcionamento de sua gravidade artificial.

Confira mais imagens e informações sobre o projeto no vídeo:

fonte: https://administradores.com.br/noticias/primeiro-hotel-espacial-deve-abrir-em-2027-veja-projeto

09mar/21

Abertura de empresas cresce 13,4% em novembro; confira dados

Pesquisa indica que Sociedades Limitadas impulsionaram o aumento no período

De acordo com o Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian, foram criados 292.268 mil negócios no país em novembro de 2020, um avanço de 13,4%, na comparação com o mesmo recorte do ano anterior. Esse aumento foi impulsionado principalmente pelas Sociedades Limitadas, negócios que são formados por dois ou mais empreendedores, que totalizaram 40,3 mil no mês analisado.

Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, mesmo que o nível de confiança financeira de empresários e consumidores não tenha sido integralmente restaurado aos níveis pré-pandemia, a abertura de um negócio continua sendo uma opção para aqueles que carecem de geração de renda. O salto das Sociedades Limitadas transparece esse fato. “Muitas vezes, abrir uma empresa com alguém pode ser um incentivo, tanto moral como financeiro, por isso as Sociedades Limitadas vêm a calhar. Duas ou mais pessoas que perderam o emprego durante a crise econômica podem se juntar e começar a empreender, não só por vocação, mas por necessidade”, conclui o economista.

O aumento na análise ano a ano também fez com que a representatividade das Sociedades Limitadas saltasse cinco pontos percentuais, saindo de 8,8% em novembro do ano passado e atingindo 13,8% neste ano. Os MEIs, pelo grande volume de empresas já abertas na categoria, tiveram redução de 0,8%, enquanto empresas individuais também tiveram queda (-3,4%).

Feita a análise por setor, o indicador revela no ano a ano que o Comércio foi o segmento que mais cresceu em novembro de 2020 (+27,2%). Segundo Rabi, esse avanço pode ser justificado pela Black Friday e pelas festas de fim de ano, já que muitos empresários costumam enxergar a época como uma boa oportunidade para iniciar e alavancar novos negócios. Indústrias tiveram alta de 15,8% e Serviços, apenas 8,5%, ainda que a área se destaque no percentual de representatividade.

No mesmo recorte interanual, todas as regiões apontaram crescimento. O destaque fica para região Sul, que registrou alta de 18,3% na abertura de empresas, seguida por Norte (14,0%), Centro-Oeste (13,9%), Sudeste (13,5%) e Nordeste (7,9%).

fonte: https://administradores.com.br/noticias/abertura-de-empresas-cresce-13-4-em-novembro-confira-dados