Category Archives: artigos

02fev/19

As principais competências mentais a serem desenvolvidas

Vivemos algumas crises de valores em várias esferas da sociedade. Diante disso, que competências desenvolver na escola e na empresa? Howard Gardner nos dá esta resposta

Howard Gardner é internacionalmente conhecido pela sua Teoria das Inteligências Múltiplas. No entanto, uma das consequências do seu estudo relaciona-se ao âmbito mais geral: política e relacionamento humano.

Umas das leituras mais interessantes, dos últimos tempos, para mim é o livro As cinco mentes para o futuro, que enfoca as cinco habilidades cognitivas que todos devem dominar, além de sua importância na sociedade em que vivemos e como podemos fazer para desenvolver essas habilidades.

Vivemos em um mundo cheio de novas necessidades e novos paradigmas, onde as palavras de ordem mudaram (e vêm mudando!) com uma velocidade vertiginosa. Crowdsourcing, colaboração, inovação aberta, cultura digital, mídias sociais, internet das coisas, compartilhamento e livre acesso são apenas alguns termos que modelam a sociedade moderna. E, nesse aspecto, necessitamos de novas ferramentas cognitivas.

Citarei e caracterizarei o que Gardner cita em seu livro, com o objetivo, para quem ainda não o leu, de despertar a curiosidade e descobrir a riqueza de informações propostas por esse autor.

1. MENTE DISCIPLINADA

Você consegue iniciar um projeto e manter o ritmo de trabalho melhorando-o sempre que necessário?

Vivemos em uma sociedade onde o imediatismo predomina e, diante de projetos em que desejamos resultados favoráveis, entender todo o processo em detrimento dos extremos se torna uma necessidade essencial.

Cada projeto deve ser desenvolvido dentro de um arcabouço de informações que contemplam as maneiras mais importantes do pensamento que os seres humanos vêm desenvolvendo nos últimos anos: pensar matematicamente, artisticamente, cientificamente e historicamente. A informação é resultado de um todo complexo – assim, precisa ser analisada de forma muito cuidadosa em cada processo, em cada projeto, em cada situação…

Disciplina é algo que pode ser desenvolvido e, diante do exposto, para quem precisa de resultados pessoais ou profissionais, precisa desenvolver-se com certa urgência.

A disciplina está relacionada, diretamente, à persistência e à resiliência. Apenas um alerta: persistência e teimosia são coisas bem diferentes!

2. MENTE SINTETIZADORA

Todos nós vivemos sobrecarregados de informações! A todo instante, milhares de informações nos chegam com os mais variados níveis de importância. Desde informações sem sentido algum até aquelas que podem nos tornar pessoas melhores.

Dessa forma, devemos decidir no que prestar atenção e o que ignorar, desenvolvendo critérios para fazer essa seleção. Quais os seus objetivos? Qual o seu projeto? Qual o seu foco naquele momento? Qual o seu plano de curto, médio e longo prazo?

Esse é um trabalho que requer habilidade e precisa de treinamento contínuo. Nem toda síntese é boa. Ela deve ser julgada pela nossa razão ou, de outra forma, por alguém que seja nosso mentor, professor… Esse processo, uma vez desenvolvido, pode se tornar uma ferramenta poderosa no que diz respeito à escolha do que nos é primordial em detrimento do que é secundário ou até irrelevante.

Após a seleção, é necessário organizar logicamente esse material no cérebro para que não seja esquecido e dar sentido (significado) para que essa informação possa ser útil pra si mesmo e para o grupo do qual faça parte. Lembre-se que um dos verbos da modernidade é “compartilhar”.

3. MENTE CRIADORA

Uma das expressões mais faladas hoje é “Pensar fora da caixa!”. Mas a grande questão inicial é: você tem uma caixa?

Antes de criar, é necessário conhecer a si mesmo para que, a partir do momento em que buscar a exploração do desconhecido, saiba de onde está partindo, com o intuito de saber por qual trilha pretende caminhar.

O processo de criação requer ousadia e, fundamentalmente, perguntar coisas novas para si mesmo e para o mundo e, dessa forma, propor soluções criativas. Nesse aspecto, é necessário ver algo sobre a Teoria das Inteligências Múltiplas, do mesmo autor.

Não é uma tarefa simples, mas posso assegurar que é uma tarefa que nos leva por caminhos extraordinários.

4. MENTE RESPEITOSA

Acho que não é novidade alguma o fato de comentar aqui que as pessoas são diferentes umas das outras. O problema é que ultimamente vemos, nos noticiários e similares, notícias de pessoas que desrespeitam, de forma cruel e até letal, o direito que outras pessoas têm de ser elas mesmas.

Precisamos respeitar a diversidade de pessoas. Em épocas de compartilhamento e inteligência global, é extremamente arcaica a não compreensão dos gostos e dos anseios das outras pessoas. Sendo assim, têm que se constituir como esforços de todas as áreas (músicas, artes, esportes…) a união e o respeito aos grupos.

5. MENTE ÉTICA

O que você entende por Ética? Devemos ver nossos conceitos e avaliar, diante de um todo tão complexo, o que significa ser ético em nossa sociedade. Ética exige abstração e análise da realidade sob um ponto de vista global.

Pense em si mesmo como cidadão e como profissional. Você acha que está sendo ético em suas atitudes? E quanto aos seus descendentes? Qual a coisa certa a fazer como profissionais e como cidadãos? E estou falando em fazer a coisa certa mesmo quando você acredita que está sozinho.

Somos todos cidadãos do planeta que está em constante evolução. E nós estamos no meio de um processo evolutivo do qual não podemos fugir.

Diante do exposto, gostaria apenas de ratificar a indicação da leitura do livro que, diante da sociedade em que estamos inseridos, é uma leitura essencial.

Forte e fraterno abraço.

fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/as-principais-competencias-mentais-a-serem-desenvolvidas/93028/

01fev/19

7 maneiras para aumentar sua criatividade

Pablo Picasso dizia que “todas as crianças nascem artistas, mas a dificuldade está em continuar a sê-lo quando crescem”. Porque perdemos a criatividade com tempo?

iStock

Pablo Picasso dizia que “todas as crianças nascem artistas, mas a dificuldade está em continuar a sê-lo quando crescem”. Todos nós queremos ser mais criativos, ter a capacidade de inovar e criar soluções mais inteligentes para os problemas e dificuldades que encontramos em nossas vidas, seja na área pessoal ou profissional.

Porque perdemos a criatividade com tempo? Segundo pesquisa realizada por dois professores nos Estados Unidos, George Land e Beth Jarman, em 1968, nosso modelo de ensino e nossas organizações nos fazem perder a criatividade com o tempo, principalmente quando somos expostos às regras e padrões que não nos permitem pensar ou agir de forma diferente.

No estudo, eles analisaram mais de 1.600 crianças aos 5, 10, e, depois, aos 15 anos de idade. Também foram avaliados mais de 200.000 adultos, com idade superior a 25 anos, onde foi aplicado o mesmo teste que a NASA utiliza para contratar novos engenheiros. O objetivo era avaliar a habilidade das crianças e adultos em pensar divergentemente.

Entre as crianças com 5 anos de idade, 98% do grupo apresentava alta capacidade criativa. Quando aos 10 anos de idade, 30% do grupo apresentou alta capacidade criativa. Aos 15 anos de idade, apenas 12% do grupo continuou apresentando alta capacidade criativa. O teste foi aplicado em mais de 200.000 adultos, que para surpresa dos pesquisadores, apenas 2% apresentaram alta capacidade criativa.

Isso nos mostra que, quando nos tornamos adultos e somos obrigados a seguir as normas, regras e processos impostos pela sociedade, família e organizações, temos uma tendência a diminuir nosso potencial criativo. O que fazer para aumentar nossa criatividade? Apresento 7 maneiras que pode ajudar você a ser mais criativo em todas as área da sua vida.

1. Seja “desvio padrão”
Convido você a enxergar e fazer as coisas de uma forma diferente do que está acostumado a fazer. É literalmente sair da sua zona de conforto e mudar constantemente seu MindSet. Os americanos usam o termo Mindset para representar o modo dominante como vemos, compreendemos e julgamos as coisas à nossa volta, o que por sua vez norteia os nossos padrões de comportamentos e nossas atitudes. Profissionais “Desvio Padrão” não seguem a boiada e estão sempre dispostos a aprender e inovar em tudo que fazem.

2. Consumir conteúdo
Hoje em dia, temos uma infinidade de conteúdo disponível. Leia e aprenda coisas que não estão relacionadas com sua área de trabalho ou com leituras que já está acostumado a fazer. Consuma vídeos, artigos, podcast, audiobooks, livros, documentários e palestras. Quero recomendar uma excelente palestra do professor Ken Robinson, “As Escolas Matam a Criatividade?”. Você pode assistir no TED Talk.

3. Mudar seu ambiente
Talvez, para que haja uma mudança de comportamento, primeiro temos que mudar nosso ambiente. Sugiro que você conheça novas pessoas, diferentes culturas, com pensamentos divergentes do seu. A mudança de ambiente nos faz enxergar o mundo de outra maneira e também evoluir como pessoa. Permita-se ir por outros caminhos, mas sem julgamentos.

4. Ficar offline
Desconecte-se das suas redes sociais e internet. Neste momento, não faça nada e aprenda a usar o ócio criativo. Permita-se por alguns instantes ficar sem fazer nada, de certa forma, desconectado do mundo, olhando apenas para dentro de si mesmo.

5. Tenha um propósito
Parece clichê, mas uma vida com propósito nos torna mais feliz e isso aumenta nossa criatividade naturalmente. Costumo dizer que há dois momentos importantes em nossa vida. O primeiro, quando você nasce, o segundo quando você descobre o porquê está aqui. Neste momento, convido você a parar e pensar por alguns minutos: qual é o seu propósito de vida?

6. Amar o que faz
Eu sou extremamente apaixonado pelo que faço e posso afirmar com convicção que isso nos torna muito mais criativos e inovadores. Segundo pesquisa, se estamos feliz no trabalho, feliz com aquilo que fazemos, conseguimos aumentar nossa produtividade em cerca de 30% e aumentar nossa capacidade criativa em mais de 301%. Sendo assim, aprenda a amar o que você faz e terá resultados extraordinários.

7. Desenvolver o autoconhecimento
Eu coloquei autoconhecimento como a sétima maneira de aumentar a criatividade, mas sugiro comece através desta, pois é um dos pilares mais importantes para o sucesso profissional. Sempre falo em minhas aulas da importância de olharmos para dentro de nós, reconhecer nossas fraquezas e procurar melhorar e evoluir constantemente. Na mesma medida que trabalha seus pontos fracos, deve potencializar seus pontos fortes, de acordo com seus objetivos.

Todo processo de Coaching que faço com meus clientes começa através da identificação do perfil comportamental. Desta forma, conseguimos enxergar quais os padrões de comportamento mais tendenciosos que temos e o que fazer para minimizar e sermos mais assertivos. O autoconhecimento nos ajuda a enxergar quem somos na essência e o que devemos fazer para evoluir como seres humanos, afinal de contas, somos nossos principais sabotares. Me lembro de uma frase citada por Buda: “Nem seus piores inimigos podem de causar tanto dano como teus próprios pensamentos”. Permita-se conhecer a ti mesmo e terá o melhor desta terra.

Carlos Maciel é Design Thinkers e especialista em Desenvolvimento Do Potencial Humano.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/7-maneiras-para-aumentar-sua-criatividade/121130/

01fev/19

7 atitudes que você deveria levar para uma reunião

Para otimizar uma reunião, é preciso estar ciente de que ela deve ter um resultado concreto no final

iStock

As reuniões são um momento de colaboração importante. Segundo o site 3M Meeting Network, cerca de 50% do tempo das reuniões é desperdiçado. Para otimizar, é preciso estar ciente que a discussão é mais do que uma conversa, é trabalho e, portanto, precisa ter um resultado concreto no final. A palavra-chave é produtividade. Para aproveitar melhor o tempo, a Plantronics identificou 7 atitudes positivas que devem ser assumidas em qualquer tipo de reunião – seja de negócios, informal, escolar. Aprenda:

Seja Construtivo – No vocabulário das pessoas construtivas não existe a palavra “mas”, elas preferem usar “e”. “Ótima ideia! E se a gente agora pegasse isso e…”. Os construtores, como são chamados, examinam, pensam e compartilham o conhecimento sempre pensando em agregar novas soluções e não em apenas criticar sem oferecer alternativas. Com isso em mente, a reunião se transforma em um encontro muito mais produtivo e participativo.

Seja brilhante – Ao contrário do que se possa imaginar, as pessoas brilhantes não contam com uma dose extra de talento – elas se esforçam e fazem o trabalho necessário de preparação e, mais ainda, sempre trazem à mesa contribuições práticas. “Eu tenho uma ideia interessante que gostaria de compartilhar com o grupo”. Mesmo que nem todas as ideias sejam acatadas, esse tipo de comportamento inspira os outros participantes a contribuir também.

Seja engraçado – Uma dose de humor no momento certo e sem dominar a conversa ajuda a energizar a reunião, geralmente quando isso é necessário. O bom humor também pode ajudar a trazer a conversa para os trilhos novamente, quando acontece a dispersão dos participantes ou discussões infrutíferas.

Seja pontual – No geral, as reuniões tem hora para começar e terminar. É importante lembrar (de maneira agradável) aos participantes que o tempo disponível é limitado e que, por isso, é fundamental se ater à agenda. “Eu sei que a gente tem pouco tempo e muito a discutir…”.

Seja voluntário – Esta é a pessoa que sempre está disposta a tomar a dianteira e agir ou a se manifestar quando ninguém mais quer. Em muitas reuniões é necessário que alguém se posicione primeiro para que os outros se sintam a vontade para opinarem. “Pode deixar essa atividade comigo”.

Seja criativo – É necessário um talento especial para demonstrar o que está sendo dito de uma forma que todos possam entender. Esse tipo de personalidade, apelidada de “Da Vinci”, realiza esboços no quadro que podem ser inestimáveis para focalizar a discussão e levar o assunto adiante. Em reuniões virtuais, é
claro, eles precisam de suporte de vídeo. O principal é que contam com a criatividade para exemplificar e se fazerem entendidos por todos, nem que para isso seja preciso, efetivamente, desenhar.

Seja bom de bola – Esse perfil sabe como pegar a bola e correr com ela. Craques das equipes, têm um olhar apurado para o que está acontecendo na reunião, sabem exatamente quando contribuir e assim mantêm a conversa direcionada à meta. De fato, contam com um pensamento estratégico e em grupo, sabem identificar uma boa oportunidade e, principalmente, levá-la adiante. Muitas boas ideias são desperdiçadas porque nenhum participante arrisca a tomar à dianteira e colocá-la em prática.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/7-atitudes-que-voce-deveria-levar-para-uma-reuniao/121866/

17jan/19

Mercado de Trabalho valoriza profissionais com Pós Graduação

Se você deseja se qualificar para conquistar o seu espaço no mercado de trabalho, veja a pós-graduação como um investimento seguro

O mundo evolui rápido, com novas técnicas e informações, e tecnologias que se reinventam a cada momento. Nas organizações, isso não é diferente. É uma evolução que precisa ser acompanhada pelo profissional, que deve se manter atualizado e informado. E em tempos de recessão econômica e processos seletivos cada vez mais concorridos, é nesse cenário que contar com uma boa pós-graduação em sua formação faz a diferença.

A valorização que o mercado de trabalho dá a profissionais com pós-graduação começa cedo. Segundo estudo da consultoria de carreira Produtive, recrutadores gastam em média apenas doze segundos na primeira triagem dos currículos em um processo seletivo. Por isso, é preciso se destacar desde o início, e um curso de pós-graduação em uma instituição renomada pode garantir a atenção do recrutador e destacar o seu currículo em meio a todos os outros.

A pós-graduação é valorizada porque, com ela, você pode desenvolver habilidades como análise crítica de problemas, ficar par de novas de novas ferramentas e metodologias e ainda expandir sua rede de contatos. Habilidades que representam um verdadeiro diferencial competitivo. Uma formação em uma pós como o PÓS ADM da FGV, por exemplo, robusta em gestão, proporciona um intercâmbio entre conhecimento e experiência prática, e isso demonstra para o mercado que você tem conhecimentos específicos relevantes.

Por isso, se você deseja se qualificar para conquistar o seu espaço no mercado de trabalho, veja a pós-graduação como um investimento seguro. Na hora de escolher o curso, reflita sobre qual é o mais adequado para você e quais habilidades você deseja adquirir. E, claro, não deixe de conhecer o PÓS ADM DA FGV.

06jan/19

Sinais de que você é bem sucedido (mesmo que não pareça)

É uma pena estarmos presos ao pensamento materialista porque certamente podemos mais que isso

Reprodução

Se você é ambicioso, está sujeito a se sentir fracassado vez ou outra. Metas elevadas levam a momentos inevitáveis em que você ainda não está suprindo suas expectativas.

Vivemos em um mundo que reforça esse sentimento. Mesmo que a maioria das pessoas não admita – exceto o cara com o adesivo de carro “aquele que tem mais é o vencedor” -, no fundo, igualamos possessões materiais com o sucesso.

É uma pena estarmos presos ao pensamento materialista porque certamente somos melhores que isso. Um estudo feito pela Strayer University descobriu que 90% dos americanos acreditam que a felicidade é um indicador maior de sucesso do que o poder, posses ou prestígio. Indo mais a fundo, 67% definiram sucesso como “relações boas com amigos e família”, e 60% disseram que é amar o que você faz da vida. Apenas 20% afirmaram que riqueza monetária determinava o sucesso.

Mas dizer e fazer são duas coisas muito diferentes…

Quando o assunto é sucesso, nossos olhos frequentemente nos desviam do foco. É difícil não achar que as pessoas de mais sucesso são aquelas com as maiores casas, os carros mais caros e os amigos mais influentes. Independente do que você alcance, sempre haverá alguém com mais e isso pode fazer parecer que você está perdendo. O problema não é você ter pouca coisa; é acreditar que as coisas levam ao verdadeiro sucesso.

O sucesso verdadeiro tem a ver com quem você é e o quão longe você já chegou. Se você alguma vez se preocupar por não ter tanto sucesso o quanto deveria ter, pode ser que esteja se avaliando a partir dos critérios errados. Às vezes você só precisa de um lembrete do que você realmente já conquistou na vida. Os indicadores de sucesso a seguir irão lhe ajudar a fazer exatamente isso.

Você não se vê como o centro do universo. Todos nós conhecemos pessoas “de sucesso” que agem como se fossem o centro do universo. É o mundo delas e o resto de nós simplesmente vivemos nele… certo? Isso não é sucesso. O sucesso verdadeiro requer a habilidade de sentir empatia – de perceber que os sentimentos e sonhos das outras pessoas são tão importantes quanto os seus, e que não podemos ter sucesso sem eles.

Você se mantém positivo. Esperança e otimismo são componentes essenciais para uma vida feliz. Se você vive se baseando nas coisas que dão errado, ficará angustiado e ressentido. Quando isso acontece, você fracassa – independente do que tenha conquistado. O sucesso verdadeiro significa sempre ver o lado positivo e acreditar que você tem o poder de transformar até as piores situações em situações melhores.

Você sabe que o fracasso não é para sempre. Você sabe que aquelas pessoas que nunca fracassam são aquelas que nunca tentam. Se você fracassa, não supõe automaticamente que é um fracasso. Em vez disso, você acolhe cada fracasso como uma oportunidade de aprender algo – e então segue em frente. Se você ainda tem dificuldades com isso às vezes, saiba que você nunca irá vivenciar o pleno sucesso até que aprenda a acolher o fracasso. Seus erros pavimentam o caminho para seu sucesso pois revelam que você está no caminho errado. Os maiores progressos geralmente acontecem quando você está se sentindo muito frustrado e empacado. É essa frustração que força você a pensar diferente, a olhar para além do convencional e ver a solução que você precisava.

Você mantém as coisas sob perspectiva. Coisas ruins acontecem de vez em quando, faz parte da vida. Para a maioria de nós, entretanto, nosso pior dia seria uma viagem de férias para pessoas que têm problemas reais – como não ter o que comer ou tentar sobreviver uma guerra civil. Travar seu carro com as chaves dentro – ou até não conseguir uma promoção – não são tão ruins quando você começa a desenvolver perspectiva. Se você dominou a habilidade de manter seus problemas em perspectiva, coloque isso como um enorme sucesso.

Você pede ajuda quando você precisa. Recusar-se a pedir ajuda, mesmo que você esteja com muitas dificuldades, é um sinal de imaturidade emocional. Pedir ajuda significa que você não sente mais a necessidade de se provar sendo perfeito. Isso mostra que você não tem mais medo de pessoas descobrirem suas fraquezas e também que você entende que ninguém tem sucesso sozinho.

Você percebe que a vida não é um jogo de soma zero. E tampouco é uma gangorra. Só porque alguém alcança o sucesso não significa que você sofre uma perda em proporção igual. Você apenas não ganhou naquele exato momento. Um sinal certo de sucesso é a habilidade de celebrar as conquistas das outras pessoas com sincero entusiasmo.

Você é capaz de diferenciar drama e entusiasmo. Você lembra dos dias que relacionamentos estáveis eram chatos e você rapidamente se cansava de alguém que tratava você como deveria? Se esse tipo de “drama” é algo do passado, parabéns. Se você prefere estabilidade e profundidade do que drama, você está tendo sucesso.

Você não se importa mais com o que as outras pessoas pensam. Você só se preocupa com o que as outras pessoas falam quando você sente que ainda precisa provar algo. Por outro lado, você sabe que “conseguiu” quando você não se importa mais com isso – quando você é sincero consigo e com seus princípios e está satisfeito com sua vida. Você sabe que conseguiu quando entende que as opiniões das outras pessoas são apenas isso – opiniões. Não possuem nenhum efeito na realidade. Elas não mudam quem ou o que você é.

Você aceita o que não pode mudar e muda o que pode. Existe uma diferença entre pessimismo e viabilidade. Se um furacão está vindo em sua direção, não há nada que você possa fazer para impedí-lo. Mas quando você aceita que tem um furacão vindo, consegue começar a agir para mitigar os efeitos. Se sua empresa encolhe e você é cortado, cada momento que você passa em negação apenas atrasa o que quer que esteja no seu horizonte. Você tem a capacidade de seguir em frente quando começa a explorar suas opções e fazer planos para mudar o que você pode. Responsabilizar-se por mudar coisas que você não gosta em sua vida é um dos maiores indicadores de sucesso.

Compreendendo tudo

Não há sentido em se sentir um fracasso apenas porque você achava que deveria ter um emprego melhor, uma casa maior ou um carro mais legal. O sucesso verdadeiro vem de dentro e é completamente independente da circunstância.

fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/sinais-de-que-voce-e-bem-sucedido-mesmo-que-nao-pareca/95798/

01jan/19

O ótimo é inimigo do bom

Não gaste seus esforços para tentar convencer alguém a receber mais do que o solicitado

istock

Quantas vezes em nossas atividades não somos perfeccionistas em excesso? Vou dizer uma coisa que talvez pareça contraditório, mas a minha experiência diz que não é: esse tipo de atitude não necessariamente gera os resultados esperados. Muito pelo contrário! Pode até atrapalhar.

Vou dar um exemplo. Certa vez, em uma empresa onde eu trabalhava, o presidente pediu para um diretor um slide com uma análise dos preços médios de determinado período. O diretor quis fazer média e já encomendou ao supervisor um estudo completo dos preços médios, com análise de variações tributárias e várias outras informações adicionais. A bomba foi repassada aos analistas, que quase enlouqueceram levantando os dados às pressas para apresentá-los a tempo. O resultado? Ao receber o relatório, o presidente resmungou: “mas eu só queria os preços médios”.

Nessa história, houve uma gigantesca perda de tempo e muito estresse envolvendo vários funcionários para entregar uma coisa que sequer havia sido solicitada. Claro que precisamos nos empenhar para entregar sempre o nosso melhor, seja para um líder ou para um cliente. No entanto, é necessário ter muito cuidado para fornecer sempre o que foi pedido, sem excessos, os quais não necessariamente são relevantes. Se alguém solicita algo na qualidade “normal”, não há motivos de entregarmos um produto “premium”. Afinal, a pessoa não está disposta a pagar a mais por isso e você e sua empresa perderão tempo e dinheiro com essa solução.

Em muitos casos, você pode se enrolar tanto que sequer será capaz de entregar qualquer coisa. Tudo por ficar ainda pior. Sabe como? Gastando seus esforços para tentar convencer alguém a receber mais do que o solicitado. Na minha atividade como palestrante, por exemplo, se um cliente me deixa claro que deseja que uma palestra sobre negociação, eu jamais irei sugerir um conteúdo com horas e horas falando sobre precificação. Não faz sentido.

O cliente já tinha claro o que queria, por que eu deveria gastar tempo tentando convencê-lo do contrário? Por isso digo que o ótimo é inimigo do bom: pois, na tentativa de fazer o ótimo, pode acabar não fazendo nada, enquanto poderia simplesmente ter realizado o que foi solicitado. Ou seja, o bom.

Carlos Titton é palestrante, facilitador em treinamentos e professor nos cursos de MBA e Pós-Graduação da FAAP, Saint Paul e FIA/SP em disciplinas de vendas, estratégia e gestão de negócios.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/o-otimo-e-inimigo-do-bom/125014/

29dez/18

Gratidão no trabalho: como transformá-la em ferramenta poderosa para a produtividade

Um estudo da Stanford Business mostrou que gerentes que expressaram gratidão aos seus funcionários geraram uma produtividade 50% maior às suas equipes

iStock

As prioridades são muitas: um número cada vez maior de compromissos surge na agenda e sempre tem aquela tarefa que insistimos em levar do trabalho para casa.

Mas, mesmo com o ritmo corriqueiro que o cotidiano nos impõe, você já tirou alguns minutos do seu dia para refletir sobre os fatores que te fazem ser grato no trabalho? Indo um pouco além, você já se perguntou como o agradecimento diário pode ter uma relação direta com sua produtividade profissional?

Frequentemente, com a ascensão das diversas redes sociais, nos comparamos e temos a – falsa – sensação de não estar vivendo tão plenamente.

Uma dica? A gratidão aumenta a saúde e a felicidade no trabalho. E digo isso com embasamento científico: pesquisas no campo da psicologia positiva oferecem fortes provas de que o sentimento e a expressão da gratidão influenciam positivamente nossas emoções e saúde, e podem inspirar estes resultados em outras pessoas.

Um estudo da Stanford Business mostrou que gerentes que expressaram gratidão aos seus funcionários geraram uma produtividade 50% maior às suas equipes.

Descobertas como essa podem motivar funcionários de uma empresa a afastar emoções negativas como a insegurança e o medo de serem criticados por um chefe ou por seu colega.

Tudo indica que realmente somos mais produtivos quando recebemos gratidão. Além disso, um colega de trabalho tem maior probabilidade de se sentir aberto positivamente e comunicar as preocupações e angústias.

Por isso, ressalto abaixo pontos importantes que mostram o poder e benefícios gerados pela gratidão e, ao final, dicas de como praticá-las ao menos em alguns dias de sua semana:

Definindo “gratidão”

Apesar de não haver uma definição psicológica única, os pesquisadores Robert Emmons e Cheryl Crumpler descrevem a gratidão como “uma resposta emocional para um presente. É aquilo que se sente após ter sido o beneficiário de um ato altruísta.”

Fontes de bondade

Ela nos conecta com outras pessoas, vidas e – dependendo das crenças nas quais a pessoa acredita -, um poder maior. Conseguimos senti-la quando a pessoa na nossa frente na fila paga pelo café de maneira espontânea, ou quando um amigo faz uma visita inesperada durante um momento difícil.

No ambiente de trabalho, alguém já pode ter vivenciado esta sensação depois de uma conquista e ao sermos reconhecidos pelo esforço de um projeto bem executado.

Em outras palavras, a gratidão é um processo de metabolizar o que já temos – saindo um pouco da bolha e caos diário em que vivemos.

Impacto da gratidão

Em um estudo, participantes foram colocados aleatoriamente em três grupos: um que escrevia sobre as preocupações da vida, outro sobre fatores que eles eram gratos e o terceiro sobre eventos neutros da vida. Eles escreviam semanalmente.

No segundo estudo, os participantes foram colocados nos mesmos grupos, mas foi pedido que escrevessem diariamente. No terceiro estudo, um grupo de participantes com doença neuromuscular era colocado aleatoriamente para que escrevessem sobre gratidão ou qualquer outra coisa.

Após 10 semanas, participantes que escreviam sobre o que eram gratos semanalmente relatavam estar 25% mais felizes do que aqueles que escreviam sobre as preocupações. Os participantes com doenças neuromusculares que escreveram sobre gratidão relataram ter uma visão mais otimista de suas vidas e, inclusive, um sono mais reparador. E já sabemos que mais felicidade e mais sono, consequentemente, ser mais focados e produtivos.

Pratique (e anote) a sua gratidão

– Comemore suas conquistas e celebre marcos importantes (por exemplo, uma promoção no trabalho). Mas não se esqueça dos pequenos gestos de bondade das pessoas que fazem o seu café ou esvaziam o seu lixo toda manhã. Elas estão em todo lugar – mas parece que nunca as percebemos;

– Treine sua mente para perceber coisas pelas quais é grato ao longo do dia. Separe alguns minutos ao final do dia e utilize esse tempo como um momento de recarga;

– Tire uma foto para você se lembrar pelo que é grato, anote no seu computador ou dispositivo móvel, e ao final de uma semana, reveja o que você escreveu;

– Encontre maneiras de discutir com o que você está grato com seus colegas. Pode parecer óbvio, mas comemorar com seus companheiros de equipe ao mesmo tempo os ergue e os inspira a continuar a fazer melhor. Você pode agradecer às pessoas publicamente em reuniões, enviar um e-mail, ou simplesmente mencionar em uma conversa o quão grato você está;

Lições aprendidas

Expressar gratidão cria um ciclo positivo independentemente do cargo. Gerentes, líderes, estagiários: mostrar gratidão faz bem a nós mesmos e para as pessoas que a aceita também.

A gratidão, reafirma que se juntarmos todas as coisas, a vida é boa e tem elementos que a fazem valer a pena ser vivida. A gratidão é reconhecer que a(s) fonte(s) desta bondade estão parcialmente fora de si e são direcionadas ao outros.

Esta é uma maneira significativa em que este sentimento difere de outras disposições emocionais.

Não foque apenas no que precisa ser atingido, se habitue a reconhecer o que já tem.

Joshua Zerkel — Diretor de Global Customer Education e Community na Evernote

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/gratidao-no-trabalho-como-transforma-la-em-ferramenta-poderosa-para-a-produtividade/121960/

27dez/18

5 dicas para trabalhar bem em equipe

Ser paciente e buscar o diálogo contribuem para a leveza do clima no ambiente corporativo

iStock

Assim como a vida pessoal, o dia a dia corporativo é feito tanto de momentos alegres como também de acontecimentos nem sempre agradáveis. Afinal, não é difícil conhecer alguém que já tenha discutido com um colega de trabalho, se desentendido com algum cliente por falhas na comunicação ou até mesmo ficado ressentido pela falta de comprometimento por parte de pessoas próximas no ambiente organizacional.

Mas, apesar de surgirem alguns obstáculos durante o percurso, nem tudo está perdido. De acordo com o escritor norte-americano Patrick Lencioni, autor do livro “Os 5 desafios das equipes”, o trabalho coletivo nada mais é do que o ato de praticar um pequeno conjunto de princípios durante um longo período de tempo. Mas, como lidar com as adversidades do cotidiano profissional e manter todos confiantes, unidos e focados nos mesmos objetivos?

“O sucesso do trabalho em grupo está diretamente ligado à capacidade humana de se relacionar. Qualquer pessoa pode cometer erros, mas, é justamente ao reconhecê-los que é possível superar os conflitos e caminhar para conquistar o que foi traçado previamente”, responde o diretor da Prepara Cursos, Guilherme Maynard.

Abaixo, o executivo dá cinco dicas para quem deseja trabalhar ainda melhor em conjunto e contribuir para o desenvolvimento individual e coletivo.

1 – Seja paciente e aceite as ideias dos companheiros

Nem sempre é fácil conciliar as opiniões de todas as pessoas que fazem parte de uma equipe e, para que não haja nenhum desentendimento, é preciso praticar a paciência, pensar bem antes de falar o que deseja, ouvir e respeitar o que os demais colegas têm a dizer mesmo que não esteja de acordo com os seus argumentos. Aceitar novas ideias – ou mesmo reconhecer que as dos outros colegas são melhores do que a sua – é uma atitude altruísta em prol do objetivo desejado.

2 – Não destrate os colegas e sempre procure dialogar

Como em qualquer nível de relação interpessoal, conflitos podem surgir devido a alguma divergência. Mas, é importante ter em mente de que, por menores que sejam, eles não devem interferir no resultado do trabalho. Uma coisa é não concordar com a ideia apresentada, outra é destratar quem a sugeriu. E se algo o deixou desconfortável, procure expor o seu ponto de vista sem ofender ninguém. Isso ajudará a buscar a melhor solução para resolver quaisquer problemas.

3 – Planejar e saber dividir não faz mal a ninguém

É natural que, ao trabalhar em grupo, algumas pessoas se dispersem mais do que outras. Por isso, é fundamental seguir um planejamento para que o objetivo seja alcançado de maneira eficaz. Lembre-se: o trabalho é coletivo e não individual. Partilhar responsabilidades e informações fará bem a todos os envolvidos.

4 – Ajude e, se precisar, peça ajuda

Não há problema nenhum em colaborar com os seus colegas de equipe e muito menos pedir auxílio caso seja necessário. Isso não diminuirá o resultado do seu esforço, nem fará com que a outra pessoa se sinta inferior por ser ajudada. O resultado final será sempre melhor do que o esperado!

5 – Procure manter a boa convivência

Trabalhar em equipe é uma boa oportunidade para conhecer melhor as pessoas. É uma grande possibilidade para crescer e se desenvolver e também para contribuir para que outros integrantes do grupo também tenham a mesma chance. Laços serão criados e as relações serão ainda mais solidificadas.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/5-dicas-para-trabalhar-bem-em-equipe/121983/5

18dez/18

6 passos simples para evitar a desmotivação na carreira

Você sente que já não está mais comprometido com os prazos e entregas das suas demandas? Está sem energia para levantar da cama e começar a sua jornada na empresa?

iStock

Analise a seguinte situação: a pessoa começou em um emprego novo, tudo é motivo para comemorar! Novo ambiente de trabalho, novos colegas, novas demandas, novos assuntos na hora do cafezinho, trocas de experiências e muito gás para viver essa etapa. Com o tempo, tudo se estabiliza, as atividades começam a ficar repetitivas, os problemas de relacionamento com os colegas aumentam, as necessidades e objetivos profissionais não são atendidos e a pessoa se vê com o seguinte problema: desmotivação na carreira.

Agora eu proponho a você, uma reflexão sobre a sua vida profissional e sua rotina de trabalho. Você consegue se ver em uma situação semelhante? Sente que já não está mais comprometido com os prazos e entregas das suas demandas? Não participa ativamente das reuniões? Está sem energia para levantar da cama e começar a sua jornada na empresa? Participa de intrigas nos corredores da organização? Anda faltando muito e sem justificativa? A cada dia que passa, suas atividades estão mais acumuladas? Você já recebeu mais de uma avaliação negativa do seu gestor?

Acredite, essa é uma circunstância muito comum à diversos profissionais, mas pode sim ser modificada, evitando assim, consequências ainda mais sérias.

O primeiro passo é identificar de onde vem a sua desmotivação. Esse sentimento, além de não fazer nada bem ao seu corpo e a sua mente, também pode trazer consequências negativas, tanto para a sua vida profissional, como a perca de oportunidades de crescimento, como para a empresa em que você trabalha, pois, a desmotivação compromete a produtividade da mesma, suas entregas, faturamento e credibilidade no mercado.

Muitos atribuem tal sentimento a baixa remuneração, mas engana-se quem pensa que apenas esse fator pode intensificar a desmotivação na carreira de um profissional. Os motivos são os mais diversificados que se possa imaginar, conheça alguns deles: ausência de um plano de carreira; falta de reconhecimento por parte do líder; problemas de relacionamento interpessoal; falta de feedback; metas inalcançáveis; retrabalho; pouco investimento no desenvolvimento profissional por parte da empresa; acúmulo de atividades; atrasos no pagamento; cobranças em excesso; prazos curtos; favorecimento de colegas; infraestrutura inadequada; responsabilidades abaixo do potencial do colaborador; agressões verbais; pouca comunicação; pressão por resultados; não conseguir expor ideias e opiniões.

Dicas para você evitar a desmotivação na carreira

Existem algumas ações que, ao serem colocadas em prática, te auxiliam a evitar e desmotivação na carreira. Chegou a hora de mudar essa situação! A seguir, te apresento 6 passos simples para fugir desse sentimento:

1. Desenvolva o autoconhecimento

Quando você desenvolve o autoconhecimento, você é capaz de identificar suas qualidades e competências que o auxiliam a entregar um trabalho de excelência, bem como potencializá-las, saber quais são os seus pontos de melhoria, seus sonhos e expectativas profissionais, medos e anseios, suas realizações, crenças e valores, limitações, missão enquanto colaborador e comportamentos e pensamentos que podem afetar a sua motivação na carreira.

Ao fazer esse movimento, você ainda consegue determinar se a sua atual função na empresa é a correta para o seu perfil e maneira de trabalhar, além de proporcionar a identificação de novas oportunidades e um caminho para você alcançar os resultados profissionais que deseja através da administração correta das suas ações.

2. Desenvolva a sua inteligência emocional

Antes de falar sobre essa dica, reflita: você é um colaborador capaz de lidar de forma imediata com os acontecimentos da sua rotina de trabalho? Como você age ao receber um feedback do seu gestor? Tem dificuldade para receber ordens? A verdade é que de nada adianta, ao se sentir desmotivado na carreira, você se estressar e perder o controle da situação.

Para evitar esse sentimento, você precisa desenvolver a sua inteligência emocional, ou seja, você deve aprender a lidar com suas emoções, para então, controlar seu pensamento e comportamento. Você se torna capaz de gerir não apenas os seus sentimentos e ações, mas também dos outros profissionais a sua volta, desenvolver a resiliência, direcionar suas emoções em prol de objetivos capazes de lhe proporcionar motivação na carreira, como por exemplo, uma promoção, melhoria nos seus relacionamentos na empresa, se adaptar à mudanças, entre outras.

3. Desenvolva um plano de carreira

Muitas vezes, a desmotivação na carreira existe pelo fato da pessoa não saber suas expectativas enquanto profissional. Se esse é o seu caso, chegou a hora de desenvolver um plano de carreira e assim, evitar tal sentimento. Ele é capaz de oferecer a você, uma visão sistêmica da sua carreira, a partir daí, você conseguirá identificar suas expectativas na empresa, suas chances de crescimento, se deseja mudar de área, onde você quer estar daqui a 5, 10 anos, entre outras questões.

Com esses dados em mãos, você aumenta o seu foco, se sente parte fundamental dos processos da organização, melhora a sua produtividade e maximiza a sua motivação.

4. Desenvolva metas e desafios

Nada mais pertinente para driblar a desmotivação na carreira do que estabelecer metas e desafios na sua rotina de trabalho. Obviamente, eles devem ser atingíveis, pois o intuito dos mesmos não é o de provocar frustração, mas sim, engajamento. A ideia é te tirar da zona de conforto para que você execute suas tarefas de formas diferentes, enxergue novas maneiras de trabalhar e assim, aumente a sua confiança e se motive no dia-a-dia na empresa.

Aqui vale de tudo: dobrar o número de entregas da semana, interagir com pessoas de outros departamentos, até auxiliar um colega que esteja com dificuldade em determinado processo.

5. Busque por capacitação profissional

Muitas vezes, a desmotivação na carreira vem pelo fato da capacitação do profissional não ser condizente com algumas funções que ele exerce na empresa. Se esse é o seu caso, nada mais coerente do que buscar por tais qualificações em cursos online, palestras, pós-graduações, workshops, trabalhos voluntários, leitura de livros e revistas da área, cursos de idioma, aulas de informática, intercâmbios etc.

Tais atividades são valorizadas pelas organizações e muitas delas incentivam o colaborador a procurar por desenvolvimento profissional. Ao buscar por capacitação, você, além de aumentar a sua motivação, acompanha as tendências do seu mercado de atuação, minimiza seus erros nos processos que desempenha e se mantem preparado para as possíveis oportunidades na organização em que você trabalha.

6. Equilibre a sua vida pessoal e profissional

Engana-se quem pensa que para crescer na carreira, é necessário se abdicar inteiramente da vida pessoal, pelo contrário, isso só agrava a tão temida desmotivação. Portanto, se você quer evitar tal sentimento, saiba: é necessário equilibrar a sua vida pessoal e a sua vida profissional.

Isso significa que não adianta você focar a sua vida para bater metas na empresa, subir de cargo e trabalhar para conseguir um aumento, se você não tirar um tempo para realizar os seus hobbies, cuidar da sua saúde, passar um tempo com sua família e amigos. Se não houver esse equilíbrio, os bons resultados no seu trabalho vão diminuir gradativamente, sendo substituídos por altos níveis de estresse e desmotivação na carreira.

José Roberto Marques é presidente do Instituto Brasileiro de Coaching – IBC

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/6-passos-simples-para-evitar-a-desmotivacao-na-carreira/121872/

17dez/18

Estagiário após os 30: o que ele pode agregar à sua empresa?

Mercado de trabalho pode se beneficiar de profissionais que reiniciam carreira em busca de sonho ou após onda de demissões

iStock

Em busca de realização, muitas pessoas têm largado carreiras consolidadas para investir em outros rumos. O recomeço com um novo curso faz necessária a volta à fase de estágios, o que traz benefícios às empresas. Daniela Misorelli, CEO da plataforma de recrutamento de estudantes Estagiários Online, aponta cinco razões para apostar no estagiário mais velho:

1. Muita experiência
A atuação anterior em outros trabalhos proporciona ao estagiário conhecimentos que podem ser reaplicados e até calhar de ser a peça que faltava no quebra-cabeça de uma companhia, com sua experiência e habilidades.

2. Motivação para dar e vender
Se o profissional abdicou de uma carreira para ir atrás de fazer o que gosta é sinal de que ele estará empolgado nessa missão. Ele realizará, então, as tarefas com muita satisfação e disposição.

3. Dedicação e vontade de crescer
Há ainda aqueles que só tiveram a oportunidade de começar uma formação superior mais tarde, e que estão determinados a fazer a diferença tanto na própria vida quanto na da família. “Não há idade para iniciar ou retomar os estudos, basta a vontade de adquirir novos conhecimentos e a dedicação”, comenta a CEO do Estagiários Online.

4. Aprendizados da maturidade
Com mais vivência, o estagiário mais velho já passou por situações em que aprendeu o peso das escolhas e das consequências de seus atos. Ele pondera mais antes de agir, não se envolve em conflitos à toa e é, ainda, uma boa influência para os colegas.

5. Benefícios da diversidade
A troca de experiências suscitada pelo convívio entre diferentes gerações soma à equipe e à empresa. O diálogo fica mais rico com a diversidade de opiniões e, assim, pode-se chegar a melhores soluções e resultados.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/estagiario-apos-os-30-o-que-ele-pode-agregar-a-sua-empresa/121886/