Category Archives: artigos

05ago/20

O Poema da Prosperidade

Afinal de contas, o que é prosperidade?

Houve um tempo, dentro de cada um de nós, que não era necessário escolher entre duas partes, era possível termos as duas.

Foco no trabalho ou na família?

Foco no dinheiro ou na felicidade?

Fazer o que é certo ou o que precisa ser feito?

Cuidar de nós mesmos ou cuidar dos outros?

Seguir o nosso propósito ou trabalhar para fazer o dinheiro que precisamos?

Dar atenção as coisas materiais ou as espirituais?

Estudar e aprender ou trabalhar e crescer dentro da nossa profissão?

Em que momento que dividimos essas coisas?

Em que momento que decidimos que ter uma não possibilita ter a outra também?

Prosperar, nada mais é, do que integrar nossas partes.

É fazer o trabalho conviver em harmonia com nossa família.

É fazer do dinheiro uma ferramenta poderosa para aumentar nossa felicidade e das pessoas ao nosso redor.

É fazer com que o que precisa ser feito seja o certo a fazer.

É transformar nosso propósito também na ferramenta do nosso sustento.

É perceber que a evolução material e espiritual acontecem juntas.

E que aprendizado, trabalho e evolução são uma única coisa.

É, acima de tudo, nos dar conta de que prosperar é nos unir com cada uma das nossas partes e com o mundo a nossa volta.

Quer prosperar de verdade em cada cantinho da sua vida?

Junte as suas partes.

Quer fazer essa prosperidade andar de mãos dadas com toda a felicidade que você merece?

Faça das suas ações sementes que plantem a prosperidade e a felicidade no mundo ao seu redor.

Una dentro, una fora e você descobrirá que prosperar nada mais é do que o caminho para o Amor.

Só há prosperidade de verdade onde existe Amor.

Sem Amor a prosperidade é construída em bases frágeis.

Em que área da sua vida a prosperidade ainda não chegou?

Talvez esteja no momento de se perguntar se nessa área o Amor já chegou de verdade….

Um grande abraço e até a próxima.

05ago/20

Carteira Nacional de Trânsito: saiba o que é necessário para obter a sua

A nova Carteira Digital de Trânsito (CDT) unifica a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV)

O avanço da tecnologia tem tornado possível que os motoristas brasileiros substituam documentos em papel por versões digitais, hospedadas em aplicativos. Primeiramente, foi a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Depois, o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), o popular “documento do carro”, ganhou sua versão digital. Recentemente, o Governo Federal anunciou a chegada da nova Carteira Digital de Trânsito (CDT), unificando todos esses documentos, que agora podem ser acessados rapidamente pela tela de um smartphone, facilitando a vida dos cidadãos. Veja mais detalhes sobre esta novidade.

O que é a Carteira Digital de Trânsito?

É um aplicativo que contempla as versões digitais da CNH e do documento do carro. O serviço está disponível em todos os 27 estados brasileiros e no Distrito Federal.

Como obter esse serviço?

Para obter a CDT é necessário baixar o aplicativo feito pelo governo (disponível na Play Store e na Apple Store). Para realizar seu cadastro e baixar a CNHe, siga as etapas descritas no site da Serpro:

1. Selecione a opção “Habilitação”, em seguida selecionar “Toque aqui para adicionar a sua CNH”.

2. Não estando habilitado, o usuário deve optar um módulo de autenticação: “Validação pelo celular (Validação Facial), Certificado Digital (Portal de Serviços Denatran) ou Sem Certificado Digital (Validação de balcão do Detran). “O processo com o Certificado Digital é bastante simples, uma vez que ele é a identidade digital do meio eletrônico. Do início ao fim, a solicitação é realizada on-line rapidamente”, explica Leonardo Gonçalves, diretor de Relações Institucionais da Certisign, empresa especializada em identificação digital.

3. Por fim, é necessário baixar o CRVLe.

A CNH e o documento digital do carro já estão disponíveis em todo o Brasil?

Apenas a CNH eletrônica está disponível em todos os estados brasileiros. A versão digital do documento do carro ainda não está disponível aos motoristas dos seguintes estados: Bahia, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, São Paulo e Tocantins. Para acompanhar a liberação/implantação do documento digital do carro em mais estados, basta acessar o site do Denatran.

Todos os motoristas podem solicitar a CDT?

Embora todos os motoristas brasileiros possam fazer o download do aplicativo e a CNH eletrônica esteja disponível em todos os estados, apenas aqueles cujo documento impresso foi emitido a partir de maio de 2017 podem baixar a versão digital. Quem não tiver e quiser usar a CDT terá que tirar a segunda via da Carteira de motorista.

Já tenho a CNH Digital em meu celular. Terei que baixar mais este aplicativo?

Não, basta atualizar o atual e, caso deseje, acrescentar a versão eletrônica do documento do carro.

Há algum custo para obter a CDT?

O aplicativo em si é gratuito. O motorista pagará apenas para obter a primeira ou a segunda via da CNH e do documento digital do carro. As taxas cobradas devem ser consultadas diretamente no Detran de cada estado.

Os documentos da CDT tem validade jurídica?

Sim. Portanto, ela é aceita da mesma forma que os documentos na versão física.

05ago/20

Liberdade de expressão ou receita financeira?

Atitudes revelam mais do que discursos

Nada como um dia depois do outro e as atitudes para conhecermos os propósitos e princípios, não é mesmo? O Facebook, detentor das empresas WhatsApp, Instagram e a que leva seu próprio nome, bem como outras empresas menores que o diga.

Recentemente o discurso mudou rapidamente de tom e o que antes era tido como liberdade de expressão – quiçá o preceito mais forte clamado por todos nos últimos tempos – virou um problema financeiro e a mudança de postura foi radical.

Os fatos são estes: após a morte de George Floyd e todos os protestos oriundos contra racismo e demais pautas nos Estados Unidos e no restante do mundo todo, o Facebook (que lucra milhões de dólares com publicidade), não mudou o tom em nada e continuou aceitando propagandas e divulgações em suas redes consideradas racistas e ofensivas.

Tal atitude gerou críticas de todos os lados, inclusive de seus próprios funcionários que chegaram a fazer um protesto virtual contra estes fatos. Mas nada foi feito, sob o mantra que o Facebook defendia a liberdade de expressão – e, sendo assim, não poderia intervir nos anúncios, que seriam de responsabilidade dos anunciantes.

Bonito e poético, não é mesmo? A liberdade de expressão é maior que qualquer outro direito ou pauta.

Entretanto, tal assertiva foi posta no chão quando inúmeros anunciantes de peso do Facebook resolveram parar de anunciar, já que a empresa não tinha preocupação com conteúdo de suas postagens.

A atitude de Coca Cola, Unilever, Honda, Starbucks entre outras gerou um prejuízo de nada menos que 56 bilhões de dólares no último dia 26 de junho, o que levou o Facebook a mudar de posição.

Agora, ele irá censurar conteúdos sim! Que se “f—“ a liberdade de expressão! Afinal, o próprio dono Zuckerberg perdeu neste posicionamento “equivocado” da sua empresa 7 bilhões de dólares em poucos dias.

Em suma, qual o seu princípio Facebook? Ficam a duvida e o questionamento, para reflexão dos leitores.

Sem deixar de questionar os seus princípios e atitudes, afinal, um dos ensinamentos deste exemplo é que – ao conhecer nossos princípios, propósitos e direcionamento – teremos mais aderência do público.

E não há como olvidar que estamos todos conectados, neste emaranhado de conexões que se chama de mercado, neste mundo pandêmico e sem normas definidas.

05ago/20

BNDES disponibiliza R$ 5 bi para micro, pequenas e médias empresas

Nova linha de crédito foi estendida até 31 de dezembro

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) alcançou na última sexta-feira (3) na linha de empréstimo para capital de giro o total de R$5 bilhões para micro, pequenas e médias empresas. O valor estava previsto no plano inicial de enfrentamento ao novo coronavírus, apresentado pelo banco de fomento em março, no início da pandemia de Covid-19.

Segundo o BNDES, já foram aprovadas 16.318 operações com 15.094 empresas, que empregam 372.800 pessoas, com valor médio de R$ 318 mil por operação. Como a pandemia ainda não acabou, o programa vai ser ampliado até o fim do ano, com a disponibilização de mais R$5 bilhões.

“Devido ao sucesso da iniciativa, e considerando a extensão da pandemia e dos impactos econômicos para as micro, pequenas e médias empresas, o Banco vai disponibilizar mais R$ 5 bilhões para novos empréstimos pela linha, que terá sua vigência ampliada de 30 de setembro para 31 de dezembro de 2020”, informou o banco.

O BNDES informa que o principal setor econômico contemplado pela linha de empréstimo foi o de comércio e serviços, que adquiriu 79,7% dos recursos, seguido pelo de indústria de transformação (19,5%). O agronegócio ficou com 0,7% dos recursos e a indústria extrativista, 0,1%.

O objetivo do Crédito Pequenas Empresas nesta segunda etapa será o mesmo, segundo o banco. “Oferecer recursos para o uso livre das empresas, de maneira simples e ágil, por meio dos agentes financeiros parceiros (cooperativas de créditos e bancos comerciais, públicos ou privados)”. Atualmente, o BNDES conta com 31 agentes parceiros atuando nos estados.

Podem solicitar o financiamento empresas com faturamento de até R$ 300 milhões anuais. O valor liberado é de até R$ 70 milhões por ano, com carência de até 24 meses e prazo para pagamento de até 60 meses. As taxas de juros são negociadas entre a empresa e o agente financeiro.

05ago/20

Nascidos em março podem sacar auxílio emergencial do 3º lote

Auxílio paga parcelas de R$ 600, sendo R$ 1,2 mil para mães solteiras

Cerca de 400 mil beneficiários do auxílio emergencial, contemplados no terceiro lote do benefício, podem sacar nesta quarta-feira (8) os recursos da primeira parcela. O saque está liberado para os nascidos em março.

O auxílio, com parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras), foi criado para reduzir os efeitos da crise econômica causada pela pandemia de covid-19. A liberação do saque e a transferência da poupança social da Caixa para outros bancos estão sendo feitas de acordo com o mês de nascimento dos beneficiários. Os recursos são transferidos automaticamente para as contas indicadas.

O calendário de saque segue o seguinte cronograma: segunda-feira (6) foi a vez dos nascidos em janeiro; terça-feira (7), nascidos em fevereiro, hoje (8) poderão sacar os nascidos em março; na quinta (9), nascidos em abril; na sexta-feira (10), nascidos em maio; no sábado (11), nascidos em junho; na segunda (13), nascidos em julho; na terça-feira (14), nascidos em agosto; na quarta-feira (15), nascidos em setembro; na quinta-feira (16), nascidos em outubro; na sexta-feira (17), nascidos em novembro; e no sábado (18), nascidos em dezembro. No total, o saque será liberado para cerca de 4,8 milhões de pessoas.

05ago/20

Bolsa de valores: 7 comportamentos que levam o investidor à ruína

Para consultora de finanças, há um déficit de conhecimento entre a população sobre o funcionamento da Bolsa de Valores; fatores comportamentais são os mais danosos à rentabilidade

Com 1,6 milhão de pessoas físicas cadastradas, 2019 foi o ano do boom da Bolsa de Valores. É fato que o interesse pelo mercado aumentou muito, mas isso não se traduz imediatamente em uma boa performance.

Por mais que as pessoas estejam pesquisando informações técnicas do mercado, ainda existe um ‘gap’ entre o que elas acham que é investir na renda variável e como o mercado financeiro funciona.

“Estudiosos do tema atribuem a causa da baixa performance ao behavior gap”, explica Daniela Casabona, sócia-diretora da FB Wealth e assessora financeira. Segundo Casabona, esses erros são muito mais emocionais do que técnicos.

“Dessa forma, muitas vezes o investidor novato pode ter a ilusão de estar indo bem, mas na verdade ele está se autodestruindo. Nesses casos, saber o que não fazer já é um excelente começo. São como regras de segurança”, diz. Casabona destaca os principais erros cometidos por investidores envolvendo questões comportamentais.

1. Efeito retrovisor

“Esse é um dos erros mais comuns. Ele tem origem justamente no pensamento de que a Bolsa deve trazer bons retornos no curto prazo. Na verdade, o mercado de ações deve ser visto como um investimento de longo prazo e, se for visto dessa maneira, o desempenho de cada papel também deve ser analisado através de um longo período de tempo”, afirma.

2. A estratégia do “eu também”

“É preciso tomar cuidado com o sentimento de manada. As informações se espalham muito rápido no mercado, mas geralmente quando a maioria das pessoas já sabe de algo é tarde demais. O planejamento financeiro muda de acordo com a pessoa e tem muitos fatores envolvidos. Perfil de risco, patrimônio aportado, objetivos, tempo de investimento, etc. É melhor focar no seu próprio planejamento, para não se perder no caminho”, explica Casabona.

3. Efeito Las Vegas

“Em alguns casos ações podem valorizar muito em um dia, promovendo bons ganhos rapidamente. Na verdade, essas subidas tem muito mais a ver com a sorte do que com o planejamento em si. A bolsa não deve ser tratada como um cassino, até porque, assim como nos cassinos, o investidor pode perder todo o seu capital ou grande parte dele”.

4. Negociar baseado em notícias

“As notícias são diárias, mas os investimentos não precisam ser. É claro que é muito importante se informar sobre as empresas que você tem dinheiro investido, porém, às vezes, as notícias podem gerar flutuações muito grandes durante um dia e não é incomum que depois de um tempo a ação volte ao seu valor padrão, fazendo com que o investidor acabe se desfazendo de posições muito precocemente”.

5. Medo e ganância

“Esses dois sentimentos são inimigos do mercado. É preciso ter muita cautela. Segurar uma ação por tempo demais, ou de menos, pode prejudicar seus ganhos, por isso é preciso deixar os dois de lado e focar na análise técnica”.

6. Ânsia por resultados rápidos

“Esse tópico tem muito a ver com o anterior. É muito importante ter consciência de que a renda variável é um investimento de longo prazo. O Ibovespa, por exemplo, valorizou 25% nos últimos 12 meses, outras carteiras de investimento valorizaram até mais do que isso no mesmo tempo, porém, se ao invés de confiar no longo prazo o investidor buscar ter resultados rápidos é muito provável que ele tenha um desempenho bem pior”.

7. Psicologia humana

“É bastante difícil agir de maneira racional todo o tempo. As vezes o próprio psicológico do investidor pode leva-lo a supervalorizar os seus ganhos e menosprezar as perdas, o que, no final, acaba dando a falsa noção de que ele está fazendo tudo certo. O planejamento é importante justamente por isso, para minimizar as falsas impressões”.

05ago/20

Entenda como transformar suas finanças de vez em 2020

Quer mudar seus hábitos financeiros no próximo ano? Saiba por onde começar

Você já parou para pensar que tudo na vida é uma questão de escolha? Isso mesmo! Somos os responsáveis e protagonistas por todos os nossos atos, seja no âmbito profissional ou pessoal. Dessa maneira, quando pensamos em nossa situação financeira não seria diferente. Ou seria? Digo isso porque, por experiência própria, após muitos anos de tentativas sem resultados, decidi mudar e aprendi a fazer novas escolhas.

Felizmente, a cada dia cresce a quantidade de pessoas dispostas a encarar essa transformação financeira a fim de realizar seus sonhos. No entanto, para a concretização desse propósito, certamente o primeiro passo é saber a fundo quais são seus objetivos, onde você quer chegar, para, enfim, entender quais mudanças deverá colocar em seu dia a dia.

O assunto é amplo e ainda gera muita confusão, visto que cada pessoa possui uma necessidade e objetivos diferentes. Além disso, mudanças não ocorrem da noite para o dia, é necessário um desejo ardente para conquistar algo e, a partir daí, se planejar e fazer com muita determinação e persistência, sem se preocupar com o julgamento dos outros.

Efetuar trocas sem perder a qualidade de vida

Como pontapé inicial de qualquer transformação, é preciso saber quais mudanças devem ser feitas em nossos hábitos. No caso de minha família, por exemplo, vendemos o carro e, no dia a dia, aderimos a utilização de transporte público e aplicativos de transporte privado. Tal medida foi adaptada ao meu cotidiano após verificar que o maior gasto em nosso orçamento era o carro e suas despesas (IPVA, manutenção, seguro, multa, estacionamento, lavagem, etc.) e isso nos privava de viver uma vida com melhor qualidade e também de investir em nosso futuro.

Para tanto, é importante que consigamos analisar e modificar qualquer tipo de custo que esteja prejudicando nosso orçamento, sempre priorizando por opções que geram despesas menores, sem perder a qualidade de vida, caso contrário não haverá continuidade. E também para engordar o orçamento, que tal pensar em uma renda extra?

Além disso, outro ponto que interfere, e muito, nas nossas finanças está relacionado à questão que envolve os valores pessoais, pois muitas vezes as pessoas acabam fazendo escolhas que não simbolizam o que elas realmente querem. Ou seja, preferem priorizar a opinião de terceiros como uma espécie de status, comprando coisas que não querem e nem precisam, apenas para mostrar para alguém. Essa prática acaba gerando gastos desnecessários que farão falta para o orçamento no futuro.

Mudanças simples geram resultados grandiosos

Após fazer uma análise detalhada sobre seus gastos, identificando o que pode – e deve – ser cortado, é a hora de agir! Para tornar essa prática uma tarefa menos desafiadora, tenha sempre suas metas e objetivos estabelecidos. Além disso, não se esqueça de:

  • Se planejar;
  • Revisar seu estilo de vida;
  • Fazer renda extra;
  • Ter disciplina.

Outro ponto crucial – determinante, inclusive, nas minhas escolhas – é o apoio da família. Afinal, não dá para fazer qualquer tipo de mudança sem envolver as pessoas mais próximas de você. Além disso, elas serão essenciais para apoiá-lo e, quem sabe, adotar um novo modelo de vida, seguindo seus passos.

Por fim, anime-se! Vá à luta pelos seus sonhos e objetivos e não aceite que ninguém te diga coisas que te desanime. Além disso, tenha sempre em mente que todo propósito leva tempo, requer esforços contínuos e, a longo prazo, você visualizará grandes resultados.

E então, quais escolhas você está fazendo hoje para o futuro das suas finanças?

05ago/20

5 dicas práticas para ter segurança financeira em 2020

Além de ter uma reserva financeira, é importante aprender que não basta colocar as quantias economizadas em aplicações clássicas como poupança

Lidar com dinheiro é um grande desafio para a grande maioria das pessoas. Ter uma reserva financeira para dar conta de gastos inesperados como quando quebra o carro ou alguém da família fica doente, então, é um assunto que coloca muita gente em pânico.

Mas não precisa ser assim. Se criarmos o bom hábito de reservarmos rendas extras como 13º salário, adicional de férias ou mesmo um dinheirinho extra que veio com um job freela, podemos passar com sucesso nos desafios financeiros do cotidiano.

Além de ter uma reserva financeira, é importante aprender que não basta colocar as quantias economizadas em aplicações clássicas como poupança, que um dia foi um bom investimento e hoje já não é mais.

Veja a seguir as cinco dicas especiais de Carol Paiffer, CEO da ATOM Educacional, para ter mais segurança financeira em 2020. “São dicas que servem para todo mundo, seja para investirem R$ 50 ou R$ 10 mil”, afirma Carol.

1. Invista em conhecimento

“Quando se fala em investimento, sugiro que as pessoas façam dois tipos de investimento: um é o investimento em conhecimento e outro é o investimento em dinheiro.

Para investir com sabedoria e segurança é necessário investir tempo e dinheiro para adquirir conhecimento. Só o conhecimento é capaz de proporcionar autonomia financeira. E como “conhecimento” não me refiro apenas ao conhecimento sobre investimentos. Quando uma pessoa entende todas as áreas de sua vida, ela consegue ter relacionamentos profissionais e pessoais em equilíbrio e percorre, por exemplo, uma trilha financeira com mais segurança. Só esse conhecimento nos liberta para o sucesso.

Há muito conhecimento online e gratuito sobre qual a melhor forma de investir dinheiro, seja R$50,00 ou R$10.000,00. Existem boas opções para todos bolsos e hoje em dia não dá para deixar dinheiro parado porque, com a taxa Selic baixa do jeito que está, um capital desvaloriza muito rápido”.

2. Diversifique seus investimentos

“O primeiro ponto, é aprender que é necessário diversificar investimentos, independente da quantia que tenha para aplicar. A dica é avaliar as possibilidades e escolher primeiro sempre uma opção de investimento de renda fixa – ou seja, curto prazo e menos risco, e outra como por exemplo investimentos em ações, também chamado de renda variável, de longo prazo e que envolvem riscos. Ou seja, é muito importante ter um “pé de meia” em renda fixa, antes de se envolver com investimentos de renda variável.

A grande dificuldade das pessoas em geral é fazer investimentos de longo prazo para viabilizar grandes despesas futuras que são previsíveis como, por exemplo, a faculdade dos filhos ou mesmo uma aposentadoria tranquila”.

3. Crie bons hábitos financeiros

“Investimentos de longo prazo devem ser iniciados o antes possível, pois leva-se um tempo considerável para acumular o valor desejado. A minha dica que é se crie o hábito de separar toda e qualquer renda extra que se consiga, seja uma pequena quantia oriunda da venda de trufas de chocolate ou de um job freela ou um 13º salário. E essa renda extra é que deve ser aplicada a longo prazo, assim literalmente sai de circulação e torna-se a realização de algum sonho planejado.”

4. Estude muito antes de investir

“Um dos investimentos a longo prazo que estão mais em alta é comprar ações de empresas listadas na Bolsa de Valores (B3). Dentro deste tipo de investimento também há operações de longo prazo, que são mais complexas e é necessário ter quantias mais altas na mão.

Mas há também o daytrade, em que operações são abertas e encerradas no mesmo dia. Para aprender a atuar como daytrader, o ponto de partida é fazer bons cursos para aprender a parte prática da operação, mas também é vital adquirir conhecimento sobre o mercado para saber avaliar qual empresa está ou não bem posicionada.

Vale muito a pena investir em treinamentos e cursos específicos, antes de investir dinheiro próprio como daytrader. Em geral, as pessoas abrem primeiro uma conta numa corretora para então começar a aprender. E é justamente nesse momento que as pessoas acabam perdendo dinheiro.”

5. Não arrisque logo de cara

“Fazendo um paralelo, investir na Bolsa de Valores é como comprar um imóvel. Todo mundo quando vai comprar um imóvel tentar encontrar uma opção com o menor valor de investimento possível e na hora de vender, anos depois, sempre tenta vender por um valor superior, não é isso? Então, investir na Bolsa é exatamente isso: ter conhecimento de mercado (economia, política etc) para fazer escolha inteligentes no momento certo.

A dica para aprender a investir com segurança na Bolsa é não começar operando o próprio dinheiro. Hoje já é possível aprender a atuar como daytrader por meio de simuladores virtuais e começar a operar com dinheiro das empresas que ensinam a profissão.

E, para fechar, quando se começa a ganhar dinheiro com daytrade é já reservar também a quantia ganha para fazer novos investimentos e assim por diante. Parece complicado, mas quando se pega o jeito é bem interessante e dá muita autonomia a quem investe dessa maneira.”

05ago/20

Cold mail não é uma novela

Cinco parágrafos é o necessário para um cold mail. Se forem menos do que cinco, melhor!

Alguns profissionais de vendas mandam o cold mail e junto uma apresentação da empresa. Péssima estratégia, pois você queima todas as suas cartas que tem na manga.

Recentemente, em um curso de prospecção analisei um e-mail de prospecção onde o vendedor descreveu quase todo o histórico da empresa e junto enviou uma apresentação em pdf novamente com o histórico da empresa.

E para piorar, antes deste e-mail houve um contato telefônico onde ele também falou sobre a empresa. Ou seja, redundância!

E quer mais uma verdade? Nada contra a automação de cold mails, eu mesma uso, mas se trata de e-marketing com um nome mais bonitinho. E é spam, sim.

Se é enviado em massa para uma lista e sem autorização, não tem outro nome a não ser e-marketing e spam.

05ago/20

A COVID-19 e a metamorfose na administração

Devido às ações de combate a pandemia do novo coronavírus foram necessárias adaptações comportamentais não apenas no âmbito pessoal mas também no contexto organizacional.

Devido às ações de combate a pandemia do novo coronavírus foram necessárias adaptações comportamentais não apenas no âmbito pessoal, como também no profissional.

No que tange a gestão organizacional, grande parte das empresas passaram por um processo que poderíamos chamar de metamorfose ambulante – breve analogia a música de Raul Seixas lançada em 1973 – no qual foi e ainda é possível verificar a dinamicidade corrente das ações e situações contextuais mercadológicas.

Partindo para o contexto acadêmico podemos verificar contribuições de diversos teóricos que discorrem sobre capacidades dinâmicas, criatividade, inovação e tecnologia. Entretanto o contexto atual permite a observação da prática dos achados ainda que seja feita de forma obrigatória. Uma dessas práticas que ainda pouco disseminadas no panorama nacional foi o famoso home office o qual surge desconstruindo a ideia de eficiência atrelada apenas pela presença física. Muitas empresas com culturas flexíveis e voltadas à inovação já aplicavam o home office no seu cotidiano, entretanto a partir do novo cenário o que parecia impossível de se aplicar em organização “tradicionais” foi permissivo por meio da pressão por adaptação.

Apesar da distância entre os colaboradores especialistas defendem que a pratica permite maior interação entre a equipe por necessitar de um contato mais frequente facilitando feedbacks “fora da tendência”, ou seja, sem ciclo definido. Agora são passados de maneira mais ágil e prática, possibilitando maior flexibilidade na resolução de questões e melhorias comportamentais.

Ademais o uso de meios digitais se tornou cada vez mais valorizado e ferramentas tecnológicas se apresentam como fundamentais para prestação de suporte nas atividades cotidianas, trazendo um novo significado a maneira de trabalho e permitindo o desenvolvimento de soft skills.

Outro ponto que merece destaque é o e-commerce. O fato de ter acesso a redes sociais não significa dizer que o empreendedor está otimizando seu uso. Com a pandemia a valoração das redes sociais foi crescente e teve impactos diretos na forma de consumo refletidos também na maneira de ofertar produtos/serviços aos clientes. Grandes e pequenos empreendedores observaram a importância de investir em marketing digital o qual se transfigurou de uma ferramenta de apoio para uma ferramenta básica de divulgação que necessita de estratégias para atingimento dos resultados.

A economia low touch também emerge com mais força permitindo a inserção de novos modelos de negócios com base no menor contato direto entre vendedores e clientes, usando o e-commerce como meio de disseminação das informações e do processo de venda. Permitindo um olhar sinérgico entre as vendas regulares e um processo de venda que propicia maior autonomia de escolha dos clientes a partir de plataformas interativas.

Esses novos caminhos trilhados pelas organizações trarão consequências na maneira de gerir negócios possibilitando maior acessibilidade e capacidades dinâmicas. Para o enfrentamento das dificuldades é necessário desenvolver estratégias corporativas adaptáveis com foco nos objetivos pois como citado por Lewis Carroll “para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve” (CARROL, 1865).